METADE DOS TÁXIS AÉREOS NO BRASIL SÃO PIRATAS


Entre helicópteros o número é ainda mais alarmante: até 90% da frota nacional pode estar operando de forma clandestina

Uma forma diferente de pirataria está literalmente voando pelos céus do Brasil e apresentando sérios riscos a segurança da aviação. Já ouviu falar dos táxis aéreos piratas? Se não, saiba que eles não são poucos. Muito pelo contrário, são a maioria.

Segundo estimativa do Sindicato Nacional das Empresas de Táxi Aéreo (SNETA), 50% dos voos fretados e remunerados que ocorrem em todo o país são realizados por aeronaves privadas sem autorização para tal, configurando o transporte aéreo clandestino ou táxi aéreo pirata.

“O maior risco (do táxi-aéreo pirata) é o uso de aeronaves que não oferecem o mesmo nível de segurança que uma empresa de táxi-aéreo certificada pela ANAC possui. A agência fiscaliza essas empresas e exige níveis de segurança superiores ao oferecido por um operador privado”, explica Fernando Alberto dos Santos, superintendente do SNETA.

E no caso de alguma ocorrência negativa, como um acidente, quem pode levar a pior é o passageiro que pagou pelo serviço pirata. “No caso de um acidente no qual a aeronave estava realizando voo remunerado ou pirata, a seguradora do avião ou da empresa não irá cobrir as perdas de vida e bens”, conta Santos.

“As aeronaves pertencentes a uma empresa de táxi-aéreo devidamente homologada são submetidas a exigências de altos níveis de segurança e sofrem frequentes fiscalizações de manutenção e segurança. A capacitação e treinamentos de atualização dos pilotos também é constantemente checada”, afirma Henrique Antunes, especialista em aviação e diretor da FlyEdge, empresa de compartilhamento de voos, uma nova modalidade de táxi-aéreo.

No ramo dos helicópteros, a situação pode ser ainda mais alarmante. Dados do Anuário Brasileiro de Aviação Geral de 2015 mostram que menos de 8% das aeronaves de asa rotativa do país têm a licença para funcionar como táxi-aéreo. Se considerarmos somente os helicópteros privados, 88% deles têm potencial para realizar voos irregulares.

INVASÃO DOS PIRATAS

O mercado do táxi-aéreo clandestino vem crescendo de tal forma que está degradando a situação de empresas que trabalham de forma correta. Para o diretor da ABTAer (Associação Brasileira de Táxis Aéreos), Ênio Paes de Oliveira, o cenário do setor não é nada bom: “A queda média recente de faturamento dos táxis aéreos certificados é de 50%, chegando a 70% em alguns casos. As empresas ainda não estão fechando, porém estão deteriorando de forma drástica”.

Ainda de acordo com o diretor da ABTAer, o mercado dos clandestinos está em franca expansão, tomando cerca de 70% do faturamento do táxi-aéreo nacional. Entre as regiões que mais contribuem para isso são a Norte, Centro-Oeste e Sudeste – São Paulo, por exemplo, tem maior frota de helicópteros do mundo, com mais de 700 aeronaves em circulação pelo estado.

“O táxi-aéreo pirata geralmente é feito pelas empresas que administram os hangares nas quais aeronaves ficam guardadas e também pelas próprias empresas de táxi-aéreo, que na falta de aeronaves requisitam outra particular para o voo. Portanto, se isentam de taxas e encargos. Já o piloto profissional contratado pelo dono da aeronave é seduzido a ganhar uma renda extra para complementar sua receita. O proprietário, por sua vez, tem seus custos diminuídos pelo voo ilícito”, explica Pedro Bom, diretor do Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA).

Entre os diversos fatores que estimulam o surgimento de empresas irregulares no Brasil, como explica a ABTAer, são o excesso de exigências estruturais solicitadas pela ANAC, falta de fiscalização e punição dos táxis-aéreos piratas, elevação de 400% nas tarifas aeroportuárias nos últimos cinco anos, combustível lastreado em dólar e o difícil momento econômico do País.

A categoria TPX, como são citadas as aeronaves de táxi-aéreo certificada, foi a única no Brasil que nos últimos dois anos precisou reduzir sua frota (-2%), enquanto as demais cresceram na proporção oposta.

“O crescimento do táxi aéreo pirata está relacionado à forte expansão da frota brasileira de aeronaves privadas ocorrida nos últimos 15 anos. Muitos proprietários compraram aviões aproveitando-se do câmbio favorável e aquecimento da economia. Vendo as aeronaves ociosas, muitos acabam cedendo a pedidos ou ação de atravessadores e pilotos, realizando o transporte remunerado com pagamentos por fora, sem nota fiscal”, revela o superintendente do Sindicato Nacional das Empresas de Táxi Aéreo.

Combate a pirataria

O principal elemento de atração do táxi aéreo é o preço baixo comparado ao ofertado por empresas certificadas. Pela falta de inspeção, quem realiza esse tipo de atividade atua como uma empresa comum, com site e telefone para contato, mas operam como se fossem voos particulares. Esse contexto leva os passageiros a não desconfiarem da ilegalidade do serviço contrato, que pode ser até 70% mais barato.

Apesar dos riscos a segurança, as punições às empresas e tripulantes de táxis-aéreos piratas são brandas e não leva ninguém para a cadeia. “A principal punição vem em forma de multas aplicadas ao piloto que fez o voo e o proprietário da aeronave. A primeira multa também serve como advertência, e quem for reincidente poderá ter sua licença caçada. Os procedimentos administrativos com relação às penalidades variam com a gravidade de cada caso e quem determina as ações é a ANAC”, conta o diretor do SNA.

Já a aeronave pode ser suspensa pela ANAC ou, dependendo da gravidade do caso, ser aprendida pela polícia. A maior parte das denúncias são encaminhadas pelo SNETA. A organização do Sindicato também lançará em breve uma campanha de combate a essa prática, usando mídias e cartazes em aeroportos, para chamar a atenção dos usuários sobre o táxi-aéreo pirata e seus riscos.

Como identificar um táxi-aéreo pirata?

“Uma aeronave que está registrada corretamente como táxi aéreo tem, de acordo com a regulamentação da ANAC, que trazer estampado sobre as suas portas de entrada a palavra “táxi-aéreo”. Se isto não estiver pintado ou adesivado, é um forte indício de que está embarcando em um táxi-aéreo pirata”, alerta Shailon Ian, engenheiro aeronáutico e presidente da consultoria Da Vinci Aeronáutica.

Aeronaves da Tri Táxi Aéreo são todas certificadas, garantindo segurança a seus passageiros.

Outra forma de verificar a procedência do táxi-aéreo antes de viajar é pelo site da ANAC, no RAB On Line (http://www2.anac.gov.br/aeronaves/cons_rab.asp). Basta digitar a matricula da aeronave: se ela for “TPX” é sinal que pode fazer realizar esse tipo de serviço – aeronaves privadas aparecem como “TPP” e, portanto, não podem participar desse mercado

FONTE: AIRWAY

TIAGO VINHOLES




Por
19/08/2016

A Tri Taxi Aéreo lhe entrega uma experiência incrível ao oferecer passeios aéreos pela fantástica região da Serra Gaúcha


Assine nosso blog

Não perca nenhuma novidade!

Assine nosso blog

Não perca nenhuma novidade!